Escorpiões

Os escorpiões são aracnídeos da mesma classe das aranhas, carrapatos e ácaros. Ao redor do mundo, há aproximadamente1.500 espécies e sub espécies de escorpiões que estão divididas atualmente em 18 famílias.

Muitas espécies de escorpiões não provocam envenenamento em seres humanos. Porém, algumas são capazes de levar à morte, principalmente de crianças menores de 14 anos.

No Brasil, o gênero envolvido em acidentes é o Tityus.

Controle de Pragas – Evite Acidentes com Escorpião

Acidentes com picada de escorpião são sazonais, ocorrendo mais nas épocas quentes e chuvosas. A maioria dos casos tem evolução benigna (letalidade 0,6%).

A espécie Tityus serrulatus (escorpião-amarelo), encontrada principalmente na região Sudeste, vem se expandindo devido a sua capacidade de adaptação ao ambiente urbano e à sua característica partenogenética (fêmea que gera filhotes sem o macho).

Este fato tem levado ao aumento na incidência dos acidentes com escorpião e ao aparecimento do animal em áreas antes livres de sua presença.

Os escorpiões possuem uma das taxas metabólicas mais baixas do reino animal, o que os permite permanecer longos períodos sem se alimentar (até um ano). Ao final de uma refeição, os escorpiões podem também evitar se locomover, conservando com isso o máximo de energia.

Os escorpiões são animais muito sensíveis à desidratação. É por isso que eles possuem, em sua maioria, hábitos noturnos, se refugiando dentro de tocas, sob as pedras ou se enterrando no solo durante o dia. Eles evitam, portanto, períodos de maior calor.

Algumas espécies de regiões temperadas e de florestas tropicais possuem atividade durante parte do dia, uma vez que a vegetação densa impede que o calor excessivo do sol atinja o solo.

O atributo mais notório de um escorpião é seu ferrão venenoso. O veneno dos escorpiões é neurotóxico. Sua ação é rápida e forte. A dor é intensa se irradiando por todo o corpo da vítima.

O veneno do escorpião age especialmente sobre o sistema nervoso, podendo causar a morte por asfixia, pois os comandos que controlam a respiração ficam bloqueados.

O soro anti-escorpiônico é o único tratamento eficaz contra as ferroadas dos escorpiões. Todas as espécies de escorpião são venenosas.

 

Alimentação dos Escorpiões

Os escorpiões são animais carnívoros que se alimentam exclusivamente de pequenos artrópodes vivos (baratas, grilos, cupins, aranhas, etc).

Reprodução dos Escorpiões

Os escorpiões vivem cerca de 3 a 4 anos. E, com um ano de idade, eles já estão aptos para reprodução.

Os escorpiões não põem ovos. Eles são animais vivíparos, ou seja, os filhotes se desenvolvem dentro do corpo da mãe e nascem através de parto.

Existe um ritual de acasalamento entre macho e fêmea na maior parte das espécies.

Mas a fêmea da espécie Tityus serrulatusreproduz-se na ausência de um macho.

Já, nas espécies Tityus bahiensise Tityus serrulatus, a gestação dura de 2 meses e meio a 3 meses. Entre estes escorpiões, cada ninhada pode ter mais de 20 filhotes, mas outras espécies podem produzir até 90 ou mais filhotes.

Escorpiões Peçonhentos do Brasil

Escorpião Amarelo (Tityus serrulatus): é o que provoca os acidentes mais graves no Brasil.

Este escorpião é colorido amarelo claro, com alguns pontos escuros pelo corpo. Ele pode medir até 7cm de comprimento. Sua população é composta apenas por fêmeas.

Estes escorpiões não necessitam de machos para se reproduzir e cada ninhada pode conter até 30 filhotes de cada vez.

Escorpião marrom ou preto (Tityus bahiensis): é o que provoca o maior número de acidentes na região da grande São Paulo.

Estes escorpiões possuem uma cor marrom avermelhada escura. Eles possuem machos e fêmeas. As ninhadas podem ser de até 20 filhotes de cada vez. E, seu tamanho pode chegar à cerca de 7cm.

Efeitos do envenenamento por escorpiões:

•Dor intensa no local da picada;
•Dores gastrointestinais;
•Náuseas;
•Vômitos;
•Salivação intensa;
•Diarreia;
•Arritmias cardíacas;
•Insuficiência cardíaca;
•Edema pulmonar;
•Choque.

Medidas para prevenção de acidentes com escorpiões:

•Evitar acúmulo de materiais sem uso;
•Manter os materiais organizados e afastados do chão;
•Aparar grama e manter quintais e jardins limpos;
•Roupas, toalhas e calçados devem sempre ser vistoriados antes de serem utilizados, em especial nas áreas onde ocorrem os escorpiões;
•Colocar o lixo em sacos plásticos para evitar a proliferação de baratas e moscas, que atraem esses animais;
•Andar sempre calçado e usar luvas de couro sempre que for manipular materiais que estão estocados como madeiras, materiais de construção etc;
•Desinsetizar periodicamente os ambientes com o objetivo de eliminar escorpiões e insetos que lhes servem de alimento (baratas, por exemplo).

O que fazer em caso de acidente com escorpiões:

Em casos de acidentes com escorpiões, o paciente deve ser acalmado, pois a agitação estimula a circulação mais rápida do sangue, com a consequente disseminação do veneno pelo organismo. A parte de corpo atingida pelo ferrão do escorpião deve ser mantida de preferência em uma posição acima da altura do coração.

Práticas como espremer ou sugar o local da picada do escorpião não são eficazes e devem ser evitadas. Uma outra prática que deve ser evitada é o uso de torniquetes.

O acidentado deve ser então encaminhado para o pronto-socorro ou unidade emergência mais próxima para que um médico avalie o caso. No caso de crianças menores de sete anos e de pessoas idosas ou alérgicas, o encaminhamento deve ser feito o mais rápido possível.

Identificar o animal que causou o acidente facilita o diagnóstico e o tratamento correto e, por isso, é importante que o escorpião envolvido no acidente seja trazido junto com a vítima. O escorpião pode ser capturado vivo ou mesmo trazido morto. A presença do animal, no entanto, não é de vital importância e, portanto, a captura não deve tomar muito tempo.