Moscas e mosquitos são insetos da ordem dos dípteros, ou seja, tem um par de asas. Esses insetos apresentam população extremamente numerosa nas áreas urbanas.

O homem, ao longo de sua história, tem provocado alterações em seu habitat, especialmente nas grandes regiões urbanas em que encontramos deposição de lixo e esgoto extremamente desorganizados, uma grande quantidade de águas paradas, etc.

Algumas espécies de dípteros têm se adaptado muito bem à essas condições apresentando elevado grau de simantropismo.

Dentre as moscas, o representante de maior interesse medico sanitário é a mosca domestica, gênero ao qual pertencem 60 espécies diferentes.

Moscas adultas, após a fecundação procuram resíduos orgânicos em decomposição (lixo, excrementos, cadáveres, etc.) para a postura de seus ovos ou larvas.

Ao pousarem em materiais contaminados, acabam ingerindo ou retendo junto a seu corpo inúmeros patógenos e ovos de parasitas, que acabam disseminando para população humana e animais domésticos.

Em função de sua postura, as larvas desenvolvem e alimentam-se em um meio contaminado, que os transforma em vetores mecânicos na transmissão de inúmeras doenças como cólera, tuberculose, poliomielite, carbúnculo hemático, etc.

Os mosquitos proliferam-se em águas paradas, sendo que os de maior proliferação são do gênero culex, que e um mosquito de hábitos noturnos. Este tipo de mosquito começa a voar em busca de alimento no final da tarde.

Quem se alimenta de sangue são as fêmeas dos mosquitos, por uma necessidade reprodutiva. Ela identifica sua vítima por meio da presença de dióxido de carbono eliminado através da respiração.

A fêmea pousa e insere a ponta de sua probóscide, que funciona como uma seringa de dois sentidos. De um lado injeta saliva e de outro suga o sangue.

 

 

A injeção de saliva tem função anticoagulante. Porém, quando o mosquito está contaminado, ele acaba injetando também o microrganismo transmissor de determinadas doenças, como malária, febre amarela, dengue, etc.

Os mosquitos do gênero Culex colocam seus ovos em água com alto teor de matéria orgânica. Depois formam jangadas que podem ter até 400 ovos que ficam boiando até a eclosão, de onde saem as larvas, que passarão por 4 estágios até chegar a fase adulta.

Nos grandes centros urbanos, a quantidade crescente de águas paradas e contaminadas tem favorecido em muito o crescimento de sua população.

Mosquito da Dengue – Aedes Aegypti

O Aedes Aegypti coloca seus ovos na lateral de recipientes, um pouco acima do nível da água. E, no momento em que o nível da água atinge os ovos é que estes eclodem e saem as larvas. Esses ovos chegam a permanecer aderidos a uma superfície por até um ano e assim que aparece a água eclodem.

No caso do Aedes Aegypti o que está envolvido são águas limpas e o problema geralmente está relacionado a vasos, objetos ou utensílios abandonados área interna de domicílios e Empresas, ou até mesmo edificações abandonadas.